Um fogo que ardeu por cerca de duas semanas, deixando 62 mil hectares devastados, centenas de animais sem lar e outros incontáveis mortos. Um incêndio com fortes suspeitas criminosas. Uma tragédia que marcará pra sempre a vida do coração da Chapada dos Veadeiros. Foram precisos vários feixes de luz em meio às cinzas. Pequenos pontos de esperança, que juntos, somaram para o combate de um dos maiores incêndios que o centro-oeste já viu.

Veterinários na estrada

Esse é um dos nomes que levaram o amor e os curativos que a Chapada dos Veadeiros precisou. O grupo, formado por veterinários voluntários desenvolve várias campanhas por todo o Brasil ajudando no cuidado da fauna das regiões. O mesmo aconteceu na Chapada dos Veadeiros. “A fauna do cerrado é patrimônio do país inteiro. Nós não podíamos deixar que essa tragédia causasse estragos maiores do que já havia causado”, comenta a Dra. Amélia de Oliveira, coordenadora do Veterinários na Estrada.

A campanha denominada como “Veterinários na Chapada” foi criada para atender os animais atingidos pelo incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros que, embora já tenha sido extinto, ainda sofrem com as consequências do desastre. De acordo com a veterinária, “a perda de animais de pequeno porte é inestimável”. Nessa classe, são incluídos insetos, pequenos répteis e mamíferos, como cobras, roedores, lagartos, etc. “Já para os animais de grande parte, a taxa de mortalidade foi baixa”. Por terem facilidade de mobilidade, com o avanço das queimadas, “esses animais traçam rotas de fuga e se desvencilham do fogo”, explica Amélia.

Animais com pelagem chapiscada, com o corpo coberto de cinzas. Outros com queimaduras pelas patas, aves com as asas feridas. Esse foi o cenário encontrado pelos veterinários. Um dos voluntários que participou das ações de combate ao fogo, Victor Hugo Cândido, conta que foi uma das piores vivências de sua vida. “Foi muito triste chegar aqui e ver aquele fogo, os animais correndo, as pessoas apreensivas, preocupadas”. Victor Hugo ajudou na organização dos mantimentos recebidos através de doações. “O pessoal da brigada passava horas em campo combatendo os focos e voltava pro acampamento sabendo que ainda tinha mais fogo. Foi um trabalho árduo, dolorido para todos”, conta. “O trabalho com os animais é ainda mais delicado, porque eles passam vários dias escondidos, amedrontados por causa do fogo”, comenta.

Com o fim dos atendimentos emergenciais, uma parte dos veterinários do grupo partiu para outra missão. Contudo, uma parcela permanece nos arredores do Parque em monitoramento, caso algum animal ferido seja visto. “Foi um trabalho difícil, triste, mas nós conseguimos. Juntos, pelo amor a natureza, todos conseguimos contribuir para o fim dessa tragédia”, desabafa Amélia.

Confira o vídeo feito pela REDE contra FOGO, na campanha organizada no combate ao incêndio:

AJUDE a combater os incêndios na Chapada dos Veadeiros!Financiamento Coletivo: www.catarse.me/redecontrafogoveadeiros⠀#soschapadadosveadeiros #redecontrafogo #salveocerrado

Posted by REDE contra FOGO • Chapada dos Veadeiros on Monday, October 23, 2017

COMPARTILHAR
Artigo anteriorA MULHER DO AGORA
Próximo artigoÁGUA DE COCO DA JUVENTUDE
Astronauta frustrada que seguiu no jornalismo. Sempre acreditei no Snape.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here